Brasil precisa inovar em brinquedos

Por MARIANA BARBOSA

Preço alto e falta de inovação freiam a expansão do mercado de brinquedos no Brasil, afirma o presidente das redes Ri Happy e PBKids, Héctor Núñez.

Apesar do avanço médio anual de 14% na última década e do que Núñez descreve como “questão emocional” (“o latino adora presentear os filhos, mesmo se há crise”), o gasto per capita com brinquedos no Brasil é baixo.

E o último Dia da Criança apresentou o pior resultado de vendas do setor dos últimos anos, avanço de 3,15%. “O potencial é enorme, mas o mercado cresceria mais rapidamente se os produtos fossem mais acessíveis”, diz.

Segundo a consultoria Euromonitor, o Brasil é o 19º país em gasto per capita anual com brinquedos, com US$ 80,6 (R$ 177). Japão e Reino Unido gastam, por exemplo, respectivamente US$ 420 e US$ 402,9 com brinquedos para crianças de até 14 anos.

Com quase 200 lojas, Ri Happy e PBKids detêm 23% de um mercado que movimentou R$ 8,7 bilhões em 2012 no país, se incluídos videogames. Considerando só brinquedos tradicionais, foram R$ 7,1 bilhões -50% dos quais faturados no período entre Dia da Criança e Natal.

“O Brasil poderia vender muito mais se tivesse produtos a preços mais acessíveis”, diz Núñez, um o cubano-americano de 51 anos que já dirigiu o Walmart Brasil.

Engana-se, porém, quem acha que o problema é com importados -que perfazem hoje 55% das vendas, segundo a Abrinq, a associação do setor. “[O preço alto] tem a ver também com o custo de produção no Brasil”, avalia.

Os impostos, afirma Núñez, pesam nas duas frentes. “O produto nacional também tem muito imposto.”

O executivo vê a concorrência externa como principal incentivo para a qualidade da produção nacional subir.

Mesmo assim, ainda falta inovação. “O Brasil é o quinto ou sexto maior polo produtor de brinquedos do mundo, mas representa apenas 1% das vendas globais”, aponta. “É preciso mais investimento em inovação e qualidade, em brinquedos educativos.”

Indagado por que brinquedos de sucesso fora do país demoram a chegar ao Brasil, Núnez diz que suas lojas estão sempre “procurando novidades”. Cita a marca de brinquedos de madeira Melissa & Doug, que a Ri Happy começou a importar.

0 A 3 ANOS

Uma frente de expansão, avalia, é o seguimento de 0 a 3 anos -estudos acadêmicos recentes têm ressaltado a importância dos estímulos à inteligência nessa fase, sobretudo com a brincadeira.

“O mercado de puericultura cresce 2,5 vezes mais do que o de brinquedos”, afirma, dizendo que a compra da PB Kids, que tem uma área com produtos para cuidados com bebês em muitas lojas, deixou claro o potencial.

“Vamos investir R$ 200 milhões para abrir cem lojas da Ri Happy Baby nos próximos cinco anos”, anuncia Núnez, explicando que algumas unidades serão independentes e outras interligadas à loja principal, com duas entradas.

O outro alvo é o Norte e o Nordeste, afirma o executivo, que se diz aberto à possibilidade de novas aquisições mas evita dar detalhes.

As duas regiões receberão a maior parte dos R$ 150 milhões destinados à expansão das duas bandeiras no país.

Fonte: Folha de S.Paulo – Mercado – MARIANA BARBOSA – 25/10/2013.

Comentários via Facebook

  • SIGA A EP GRUPO

    logo-sociais_r1_c1_s1  logo-sociais_r1_c2_s1  logo-sociais_r1_c3_s1  logo-sociais_r1_c4_s1  logo-sociais_r1_c5_s1 logo-social-youtube


  • banner-galeria-fotos

  • btn-newsletter

  • Atuamos, por meio de publicações, ações direcionadas e eventos, com três principais segmentos: brinquedo, licenciamento e zero a três com a missão de informar, documentar, proporcionar encontro de negócios e estabelecer parcerias. Conheça mais sobre a EP GRUPO

    ESTAMOS NAS REDES SOCIAIS!

    • Facebook
    • Twitter
    • Instagram
    • Flickr
    • LinkedIn
    • Youtube

    ÚLTIMAS POSTAGENS

    4º Zero a Três Negócios
    17 Oct 20170 comentários

    ÚLTIMOS TWEETS

    Leia todos os tweets

    © Copyright 2015 Espaço Palavra Editora e Arte.

    by: NHS INFO

    Cadastre-se

     
    Name

     
    E-mail*

     
    Empresa

     
    Endereço

     
    Complemento

     
    Bairro

     
    CEP

     
    Cidade

     
    Estado

       
     
    ×