Educação financeira infantil: Por futuros adultos conscientes

Pesquisa aponta que 70% das crianças que tiveram envolvimento com o tema ajudam os pais nas compras e 98% fala sobre o assunto nas conversas em família

Para garantir um adulto mais responsável e controlado nos gastos, nada melhor do que aprender o valor do dinheiro desde cedo. Muitos pais tentam ensinar seus filhos a poupar, economizar e gastar conscientemente desde pequenos, mas existe uma grande dificuldade para iniciar esse hábito, o que faz com que esses pais acabem desistindo da ideia.

Outro agravante é que a cultura brasileira não valoriza a educação financeira infantil como um tema que deve ser amplamente debatido entre as famílias e, principalmente, nas escolas. Assim, adultos sem educação financeira têm grandes chances de se endividar das mais diversas maneiras: cheque especial, cartão de crédito, boletos bancários etc.

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), em parceria com o Instituto Axxus e o Núcleo de Economia Industrial e Tecnologia (NEIT) do Instituto de Economia da Universidade de Campinas (Unicamp), com 750 pais de Goiânia, Recife, Vitória, Rio de Janeiro e São Paulo mostra que 70% das crianças que têm acesso à Educação Financeira nas escolas começaram a ajudar os pais nas compras e 98% passaram a tratar do assunto em casa, durante as refeições. A pesquisa foi feita com 375 filhos que receberam educação financeira de alguma maneira e 375 que não tiveram esse tipo de orientação.

Já as porcentagens das crianças que não têm acesso à Educação Financeira nas escolas são bem diferentes: nenhuma delas participa de qualquer assunto relacionado às finanças familiares; quase metade das crianças que não tem Educação Financeira nas escolas pede tudo para os pais quando os acompanham às compras nas lojas ou supermercados.

Para o coordenador do Ensino Fundamental Anos Finais do Colégio Marista Santa Maria, de Curitiba (PR), Hélio Martins, quanto mais cedo a criança tiver consciência do valor do dinheiro e das coisas, melhor. ‘‘É tendo uma educação financeira que a criança vai entender melhor quando os pais ou responsáveis negarem algo de valor, por exemplo’’, afirma. ‘‘Mas, mais que isso, é com a educação financeira que teremos adultos mais conscientes financeiramente e administrativamente falando. Serão esses adultos que vão comandar empresas, investir em negócios e tornar nossa cidade, nosso Estado e nosso país em lugar com pessoas controladas e conscientes’’, conclui.

Saiba mais em www.colegiosmaristas.com.br.

Fonte: Pg1 Comunicação – Lola Dias – (41) 3018-3377.

Comentários via Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui