Exclusivo! Gerente de compras do Gimba fala sobre gestão

Em foco

Cristiane de Faria Natalino

Com um amplo mix de artigos essenciais para o dia a dia, tais como material de escritório, informática, alimentos, descartáveis e itens de higiene e limpeza, a rede Gimba conquistou seu lugar ao sol. Hoje, a empresa entrega em todo território nacional, por meio da loja virtual, loja física, televendas e contratos corporativos. “O Gimba atende desde a pessoa física até 300 grandes corporações do Brasil, com contratos exclusivos de fornecimento programado”, conta Cristiane de Faria Natalino, gerente de compras da empresa.

Pertencente ao Grupo Remaza desde 1988, o Gimba está sediado em São Paulo, com um centro de distribuição e operação logística em Barueri (SP) e mais de 400 colaboradores. A seguir, conheça mais sobre a rede e suas estratégias de atuação.

Espaço Brinquedo – Atualmente, quais categorias de produtos são oferecidas pela rede Gimba?
Cristiane – O Gimba nasceu do segmento de papelaria e informática e, hoje, conta com uma vasta linha de produtos que atende desde a pessoa jurídica até a pessoa física. Temos papelaria, informática, higiene e limpeza, bicicletas, alimentícios, EPIs, móveis, eletrodomésticos, brinquedos e itens personalizados.

EB – Percebe alguma oportunidade de ampliação do mix de brinquedos?
Cristiane – O segmento de brinquedos é uma nova oportunidade para nós. Acreditamos no crescimento focado na diversidade do mix e em brincadeiras ao ar livre com bicicletas, patinetes etc. Por isso, temos dedicado espaço às linhas na rede.

EB – Qual o diferencial das lojas Gimba?
Cristiane – Nosso objetivo é que, além de encontrar toda a cesta de produtos necessária para seu escritório ou para a lista escolar dos filhos, o consumidor tenha um atendimento presencial de qualidade e saia da loja com a certeza da melhor compra, com a melhor relação custo-benefício. Temos trabalhado nesse sentido.

EB – Como a rede tem driblado a instabilidade político-econômica do Brasil?
Cristiane – Como atuamos em diversos segmentos de produtos, sempre procuramos nos atentar às variações de mercado, buscando melhores custos com a indústria, e oferecer soluções e benefícios aos nossos clientes.

EB – Como as mudanças provocadas pela era digital impactaram o varejo? Quais soluções a rede adota para acompanhar esse deslocamento?
Cristiane – O Gimba tem uma força muito grande no mundo digital. Nascemos e vivemos nele, além do varejo físico. Nossa plataforma de vendas on-line é toda desenhada para proporcionar uma navegação fácil, rápida, informativa e bem ilustrada ao cliente, para que essa compra seja prazerosa e atrativa.

EB – No Brasil, como você analisa esse novo movimento de consumo?
Cristiane – As pessoas querem praticidade e o mundo on-line nos traz isso. Caberá às empresas se adaptarem às tendências e aos desejos deste novo mercado. Essa é nossa filosofia; trabalhamos diariamente para que o cliente em nosso site se sinta em casa e encontre tudo o que precisa em um único lugar.

EB – Afinal, o que os consumidores buscam além de produtos/serviços? Que tipo de benefícios são realmente valorizados?
Cristiane – Os consumidores estão cada vez mais exigentes. Não basta ter o produto; é preciso ter um preço justo, uma oferta promocional, uma logística estrutural e agilidade na entrega, um pós-venda ativo e, sobretudo, uma boa imagem. Ninguém quer arriscar uma compra em quem não passa credibilidade. O Gimba se preocupa com isso e tem uma plataforma própria de SAC, em que a prioridade é sempre a resolução da necessidade imediata do cliente.

EB – Quais elementos são imprescindíveis para uma boa gestão?
Cristiane – Comunicação, dedicação e controles apurados. A informação precisa estar ao alcance de todos. No Gimba, nos dedicamos a cada cliente, às necessidades individuais, pois acreditamos no atendimento personalizado. Por fim, controles nos trazem uma melhor relação de custo-benefício que é repassada aos clientes.

EB – No processo de controle do mix, como fornecedores e varejistas podem equilibrar os negócios?
Cristiane – É preciso estar atento às demandas do mercado, focar em produtos de giro, sem esquecer que novidades são necessárias e sempre bem-vindas.

EB – Qual a melhor forma de se aproveitar os dados dos clientes e ter um feedback em relação ao serviço prestado?
Cristiane – A venda em loja é uma venda assistida, temos oportunidade de intervir e, com um bom atendimento, oferecer soluções e produtos que atendam as necessidades do cliente. Na internet, ter um bom conteúdo, imagens relevantes dos produtos e uma boa organização tornam-se essenciais para que o cliente localize o item desejado e efetue a compra.

Rede Gimba – www.gimba.com.br

Confira a íntegra da edição – Revista Espaço Brinquedo e Papelaria #98: 
https://issuu.com/epeditora/docs/eb98

Fonte: Revista Espaço Brinquedo #98 (Ago./Set.) – Por Kika Martins.

Comentários via Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui