O retorno da loja física

O futuro do varejo fica entre quatro paredes, à medida que os custos de aquisição aumentam para o consumidor. Esta é uma das principais conclusões da NRF Big Show.

Por Daphne Howland

NOVA YORK – O varejo deve interromper o processo de fechamento de lojas – mais de 9 mil foram anunciados no ano passado, já com outros 757 decretados neste ano. Para vários analistas e executivos que falaram no Big Show da National Retail Federation, a chave para o sucesso futuro do setor consiste na loja física.

Crédito: Nordstrom

Esta conclusão parte dos fundadores e líderes do varejo de ponta, tais como Showfields, Area15, Enjoy e Neighborhood Goods, bem como de empresas como Nordstrom, que abriu uma importante loja de departamentos e duas lojas locais sem mercadorias, todas em New York, nos últimos meses.

Os melhores varejistas inovaram, de modo que a loja física retomou o controle“, disse Ron Johnson, CEO da empresa de serviços domésticos de tecnologia Enjoy, considerado um visionário por trás da loja da Apple.

A valorização do varejo físico ocorre quando várias marcas unicamente on-line lutam para obter lucro, insistindo em altos preços para os clientes. A Casper Sleep foi a mais recente a revelar que está acumulando perdas – no valor de mais de US $ 90 milhões em 2018 – e não espera ser rentável por um tempo.

Conseguir clientes leais é mais fácil quando as lojas físicas estão juntas, de acordo com vários especialistas em seus respectivos painéis durante o primeiro dia de conferência da NRF. Quando se trata de adquirir clientes, “o varejo físico é mais eficaz do que um outdoor“, para Matt Alexander – co-fundador e CEO da Neighbour Goods, um novo tipo de loja de departamento (com localizações em Plano, Texas e Nova York).

Na noite de domingo, Doug Stephens falou em uma reunião de equipes da Microsoft envolvidas no varejo que, à medida que a publicidade digital se proliferou, também perdeu sua vantagem. “A publicidade digital ficou marginalizada. Estamos nadando em um mar de mídia e comunicação de marcas. As lojas são o novo canal para o varejo e um meio incrivelmente poderoso de aproximar as pessoas“, declarou.

A ideia de que a conexão humana é essencial para a eficácia do varejo físico já havia sido expressa ao longo de outros debates no  evento.

Para ler a matéria na íntegra, acesse: https://www.retaildive.com/news/the-comeback-of-the-brick-and-mortar-store/570290/

Fonte: Retail Dive – Por Daphne Howland – 13/01/2020.

Comentários via Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui