Análise TBI: Por que a Netflix quer impressionar as crianças?

A Netflix deseja se destacar como um destino familiar com todos os tipos de conteúdo, mas a programação infantil de terceiros está se tornando cada vez mais difícil de adquirir. Rob Moyser, analista sênior de TV e vídeo online da TBI OMDIA, explora o que a gigante do streaming está fazendo a respeito.

A animação infantil tem sido uma área específica de foco da Netflix nos últimos anos. A retirada do conteúdo da Disney de seu serviço VoD e o subsequente lançamento do próprio serviço OTT da Disney no final de 2019 foi o principal catalisador para uma mudança nessa direção.

Grandes gestos

Para neutralizar o movimento da Disney de usar Disney + para maior exploração online de seu entretenimento familiar / infantil, a Netflix se comprometeu publicamente em 2020 a, no futuro, produzir seis filmes de animação originais por ano.

Esse foi um compromisso muito além da taxa normal de dois a três filmes que a Pixar e a DreamWorks fazem, e uma grande reviravolta na produção considerando que ela lançou seu primeiro filme de animação original no ano passado, Klaus, e lançou apenas dois filmes em 2020, The Willoughbys e Over the Moon.

O tipo de animação em produção também deve ser ambicioso, com a Netflix abrindo mão de um estilo house em favor de uma abordagem diversificada com diretores proeminentes, incluindo Richard Linklater (Apollo 10 1/2: A Space Age Adventure), Guillermo del Toro (Pinocchio), e Nora Twomey (My Father’s Dragon) envolvidos.

Também garantiu um importante acordo de direitos com a Roald Dahl Company, com ambições de produzir um vasto ‘Universo Dahl’ de títulos infantis. Outro aspecto importante dessas novas produções de filmes a se considerar é o tipo de público que a Netflix está tentando alcançar.

O filme Over The Moon, por exemplo, é co-produzido por um estúdio chinês e visa atrair um público chinês com conteúdo familiar à cultura e sensibilidade do país; essa é uma direção já vista em 2020 com o lançamento de Mulan da Disney. Além disso, a Netflix contratou como diretor um grande talento do cinema infantil, Glen Keane, que estava envolvido na animação de personagens clássicos da Disney, como A Pequena Sereia, Aladdin e A Bela e a Fera.

Franquias anteriores?

A abordagem diversificada da Netflix de desenvolver seu conteúdo principalmente em outros estúdios ao redor do mundo tem algumas desvantagens, pois tem um tema menos consistente para usar em seu marketing de conteúdo, uma continuidade que ajuda a Pixar e a Disney a trazer seus clientes de volta ao os cinemas.

Ao mesmo tempo, essa abordagem reduz sua oportunidade de desenvolver o tipo de franquia lucrativa que ela deseja desenvolver ainda mais.

A Netflix reconheceu há muito tempo a importância do conteúdo adequado para a família e, em particular, de uma cobertura forte na televisão infantil. Ela assinou um contrato de fornecimento de TV com a DreamWorks já em 2013, que foi estendido em 2015, sinalizando sua estratégia mais ampla de capturar o público fiel da família, ao mesmo tempo em que se mantinha a par de seus concorrentes de streaming, Amazon e Hulu, ambos programados (e adquirido) um punhado de programas e filmes infantis.

O investimento na TV infantil também é sustentado pela própria análise da Netflix de que 60% de seu público assiste a conteúdo infantil / familiar em sua plataforma todos os meses. Ao decidir qual operadora OTT escolher, os pais tendem a ficar com uma plataforma que seus filhos valorizam e desejam manter, da mesma forma que pode ser para TV paga com uma infinidade de canais infantis.

O negócio da DreamWorks tem sido um dos mais extensos na história da Netflix, equivalendo a 881.000 horas de conteúdo de 73 temporadas de vários programas de 2013 a 2020 (de animação para adolescentes a crianças).

A relação Netflix-DreamWorks, entretanto, começou a parecer mais incerta no ano passado. Um acordo com o Hulu tirou alguns direitos e a empresa-mãe da DreamWorks, NBCUniversal, lançou seu próprio serviço VoD rival Peacock em abril de 2020, com muitos programas populares como Madagascar e Trolls: Trollstopia aparecendo lá. Enquanto isso, a Sky UK, que também é propriedade da NBCUniversal, também deve obter uma fatia da produção da DreamWorks com centenas de horas comprometidas lá também.

Rob Moyser é analista sênior de TV e vídeo online na OMDIA, a força de pesquisa global que, como a TBI, faz parte da Informa. O trecho acima é de seu relatório recente intitulado ‘Netflix: Estratégias para 2020’.

Fonte: TBI – Television Business International

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui